terça-feira, 25 de março de 2014

Vamos Fugir?


Em um certo dia, no inicio do outono no hemisfério sul, havia um garoto que caminhava sobre o vale da beira da morte, sem medo. Esse garoto na verdade não era corajoso, não era um fidalgo que enfrentaria "face-to-face" os seus problemas maiores.
Havia também, nesse mesmo dia, no inicio do outono no hemisfério sul, uma garota, translúcida e confusa. Sua confusão se devia ao fato de que o mundo ao seu redor era uma eterna babilônia. Essa garota, decidiu se entregar de corpo e alma aos que desejavam obtê-la.
Nesse emérito dia, o sol se pôs mais cedo, os passarinhos gorjeavam em volume baixo, e as estrelas desapareceram do céu. Nesse dia, o garoto e a garota se encontraram, em uma dessas esquinas da vida. Mas nada aconteceu.
O garoto a viu, e não viu graça.
A garota o viu, e não viu amor no brilho de seus olhos.
Então, eles decidiram fugir juntos, para longe da face da beira da morte. Para longe da confusão do mundo. Porque o mundo era mal, e eles queriam dormir em paz.
A aventura dos jovens problemáticos, foi sair do ocidente, e ir para o oriente. Se orientar? Não, apenas fugir.
O ser humano, naturalmente, tem um "quê" de fujão, o que pode ser hora bom, hora ruim. O que realmente se fez importante, foi o fim dessa história.

Em um certo dia, no fim do outono, no oriente médio, havia um garoto triste e uma garota confusa, que caminhavam na madrugada sobre os escombros de um país em guerra. Esse garoto queria voltar pra casa, "a beira da face do abismo não é tão ruim quanto o barulho das metralhadoras". Havia também uma garota, essa garota cansara da confusão da América, cansara também da realidade do Oriente Médio, agora decidira se libertar, e libertar a vontade enorme que vivia presa dentro de si.
Fugiu com Sali-malem. Sali-malem, era uma garota iraniana, que se apaixonara pela nossa garota americana. As duas foram para Índia, e deixaram o garoto americano sozinho.
O desfecho dessa história você sabe né? Não?


As garotas, viveram o resto dos seus dias viajando pelo mundo, a cantar, transar e ser feliz. No fim da vida, voltaram para a confusão da América, e lá morreram sobre um leito de hospital, com AIDS.

O garoto... Esse viveu dias fúnebres no Irã, padecendo de saudade da garota que tanto amara. Mas nunca lhe dissera. Nem quando a viu a primeira vez. Nem quando a viu pela última, quando ela lhe disse:"Eu vou me embora, com minha namorada, viver a vida, que foi feita para ser vivida".

Acontece que nosso garoto, era um rapaz que pensava no futuro. Queria ter uma família, com filhos e tudo que havia direito. Viagem na disney, escritório, cinema em família, passei no Zoológico.

A vida não foi boa com seu destino. Sozinho na guerra. Preferiu se despedir desse mundo de modo peculiar.

Abandonou a vida, em uma das ruas perto da faixa de Gaza, onde rebeldes guerreavam contra militares. Lá, ele subiu em cima de uma barricada, e fez um discurso antes de morrer a bala:

" Meus senhores, escutem-me antes de me transformarem em pó
Sou um jovem sonhador de 16 anos,
fugi do meu pais natal para vir para cá, junto do meu amor
infelizmente, ela me trocou por uma mulher e fugiu pelo mundo, vasto mundo
Acontece que por toda minha vida eu tive um sonho
Sempre quis ter uma familia,
fugi da beira da face do abismo, na co-eterna tentativa de ser feliz
Não sei se foi o destino, ou a alta carga de LSD no cerebro,
mas vim parar aqui, no meio da guerra
Nunca tive medo da morte e por isso aqui estou
Mas, o que queria dizer pra vocês, senhores
É que, enquanto vocês se matam por interesses de porcos de terno
ha uma familia sedenta de amor esperando vocês
Existe, filhos e filhas esperando um abraço quando vocês voltarem...

Já nesse momento, rebeldes e militares estavam em prantos.
Ele prosseguiu:

 E então,
o que me dizem?
Pararão a guerra e irão cuidar de suas fam...

[Boom]

E prosseguiu-se a guerra, com um cadáver a mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário